quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Secou.

Weheartit.coom




Então um dia ela acordou, olhou na janela e pensou: eu não te amo mais. Não pode ser amor. Eu não sei o que é amor, ninguém sabe ao certo - pensou - mas não há de ser uma coisa boa? Pensava assim: amor, amor, deve ter acabado. Mas tu não me deixas ir assim como eu te prendo a mim, ao desejo, ao ciúme, não é amor. Deve ser apego. Somos apegados um ao outro pelo sentimento que cultivamos um dia, mas que secou. Só que a gente insiste em molhar, pena que ele não brota mais. Nem ao menos sequer sobrou uma semente, a terra não está mais fértil, mas não queremos arrancar a coisa seca que ainda tem alguma raíz ali. Arrancar as raízes dói. Estremeceu quando pensou em arrancar as raízes. Em deixar a terra se recuperar, sozinha, sem nada. Porque algo dentro dela que a gente geralmente chama de esperança, mas cabe também chamar de desespero, algo dentro dela simplesmente queria continuar, queria pensar nas épocas de primavera florida, colorida, bonita. Como doía ver tudo tão cinza. Então essa (des)esperança gritava dentro dela quando pensava em matar as raízes.
Por que né? Por que apego, por que amor? Podia ser tudo tão simples e tão bonito. Não te amava mais. Você de certo também não, embora dizia o quanto e quanto amava. Mas onde está esse amor, que não via? Onde você colocou que eu não está aqui? Não sentia, não via, não cabia mais, pensava ela. Respirou fundo: era hora de mexer na terra.




"Amor não resiste a tudo, não. Amor é jardim. Amor enche de erva daninha."
Caio F. Abreu

7 comentários:

Lai Paiva disse...

Que lindo Crispi. É bem assim mesmo. Comigo foi assim, com tantos é... Beijo.

Luiza Fernandes disse...

As vezes é preciso arrabcar as raízes de certos sentimentos que não brotam mais, por mais que doa, mais é preciso.
Lindo o texto;

Beijos.

Leontyna Santos disse...

Hora de seguir a vida, ir em busca de novas descobertas... Procurar a felicidade mais uma vez.

Muuuito lindo mesmo!
Beijos*:

Luna Sanchez disse...

Interessante que a gente aprende a lidar com a finitude até da vida mas amor, ah, esse a gente quer ETERNO.

Rs

Só rindo, né, flor?

Beijos.

Daiana M.Fernandes disse...

Mexer na terra, fortificá-la...

bjs

mfc disse...

Há cortes que têm que ser feitos, para que tudo possa brotar como se novo fosse!

Juliana Skwara disse...

A vida é cheia de coincidências! Um dia desses me deparei com essa mesma sensação do seu texto e é bastante complicado. Até conversei com uma amiga minha sobre isso, esse lance de estar com alguém pelo costume e convivência. É difícil saber o que realmente se passa com os amantes. Obrigada pelo carinho, apoio e kmt. Volte sempre! BEIJOS