segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Feliz ano novo!

Um post as pressas, como todas as coisas de fim de ano. Só para desejar de coração um feliz ano novo cheio de paz, amor, felicidade e chocolates!
beijos para todos!

ps. estou em férias, por isso vou me ausentar (mais) alguns dias. Beijos!

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Play





Colocou a bolsa de preta de bolinhas brancas debaixo do braço e saiu por aí. Deu play no seu ipod cor-de-rosa, afinal toda boa fuga tem sua trilha sonora.

Andou sem rumo, coração acelerado, cabelos bagunçados. Se não tivesse de salto, talvez correria. Se sentia sufocada, não sabia explicar. Música tocando. Pessoas e mais pessoas, indo e vindo, se esbarrando, se atropelando. Sentiu-se sufocar. Pensou seriamente em correr, mesmo de salto. Pensou em fugir, mas lembrou que já estava fugindo. E, de repente se deu conta que sua vida era fugir. E fingir. Fingia que encarava os fatos, quando na verdade fugia deles. Fingia que era forte, quando na verdade fugia da sua própria força e capacidade. Parou, deu pause na música, deu play em si mesma, e fingiu que ia mudar, que não ia fugir, dessa vez.






ps. Dezembro é mês de correria. Desculpem a ausencia :*

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Hairspray




Ontem estava eu sozinha em uma folga. E, como o cinema até as 18 é só 5 reais, não poderia deixar de ir né! Olhei os cartazes, as 17 era a sessão mais próxima, o filme era hairspray. Já tinah ouvido falar muito desse musical, então resolvi assistir. Comprei minha pipoca e minha coca, e fui, com um certo pé atrás, assistir.
Mas aconteceu o que eu temia: me apaixonei pelo filme. Eu e minhas paixões por filmes. Vou ter comprar e assistir 343556 vezes.
O musical é muito bom, o elenco melhor ainda ( Zac Efron é um colírio, John Travolta está hilario no papel de mãe gorda e muito mais..). O figurino é divino! Me deu tanta vontade de ter nascido nos anos 60!
Mas o filme vai muito além de passos de twist, atores de olhos azuis e vestido rodado. Seu principal tema é o preconceito, principalmente com os negros. E com as gordinhas! Vale muito a pena mesmo. Já falei, estou apaixonada!
Saí da poltrona sem murchar a barriga, afinal o que vale é o nosso interior e não a embalagem. Não que eu não sabia disso, mas é sempre bom quando a gente tem um incentivo né?
Obs. na minha próxima folga estarei eu de novo lá!

ps.2 sem tempo total. Desculpem a ausencia!

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Tempo, tempo.




O tempo passa, é verdade. As pessoas envelhecem. Assim como os rostos mudam-se os gostos. Permanecem rugas e lembranças.
Não temos controle sobre o tempo. Sem perceber, deixamos nossa boneca preferida esquecida no baú. Sem perceber, passamos a achar ridículo usar maria-chiquinha no cabelo e pampili no pé. Queremos um nike do momento, um corte moderno no cabelo. Depois, um corte discreto, e um sapato social.
As tardes já não duram tanto como antigamente. Não é mais possível brincar, dormir, assistir tv e tomar lanchinho, tudo isso entre o meio-dia e seis da tarde. As tardes, aliás,  vão sendo ocupadas por trabalho, por estudos. Responsabilidades. Quando temos oportunidade de passar a tarde em casa, veja só, passa tão rápido!
Passamos nossa infância querendo ser adultos, vestindo a gravata do pai, usando a maquiagem da mãe. Mas quando chega a hora de tudo, simplesmente temos vontade de passar a tarde brincando de bonecas ou jogando bola, sem pensar no relatório de amanhã, sem pensar nas contas que estão para vencer.
O pior mesmo é quando as pessoas esquecem do tempo que passou. Tem gente que é tão adulta que eu acho que já nasceu assim. Gente que simplesmente se esqueceu de ser criança, perdeu toda a magia. Gente velha aos seus vinte anos. Porque existem sim pessoas que são velhas com vinte anos, conheço aos montes.
O tempo passa, nos deixa rugas, não percebemos. Mas o tempo não pode tirar nossa capacidade de viver, se permitimos. A nossa capacidade de sonhar, tal como uma criança, pode resistir ao tempo, pode resistir as rugas.
É isso que faz a diferença entre o velho com rugas e sonhos, e o velho jovem amargo e vazio.

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Coffee




Pediu um expresso com leite. Nesse dia ameno, não estava disposta a grandes emoções. Estava se sentindo como seu café, estava misturada. Nem forte, nem fraca, metade dos dois talvez. Estava com leite, e pior: estava morna. Sentiu o quente do café atravessar seu corpo todo, ela estava morna. Pensava em várias coisas enquanto mexia distraidamente a colher no seu leite com café. Pensava nas coisas frias que iria fazer em seu dia ameno enquanto se sentia morna. Pensava que o tempo estava passando e ela estava ali, na companhia de desconhecidos que estavam tão absortos como ela. Na mesa ao lado, uma mulher pedia solitária seu capuccino. Estaria também a mulher morna? Parecia. Já a pequena grande mulher que estava saindo, com seu ar até meio esnobe, aquela estava quente e forte, como café expresso puro. Exibida como café com chantilly. E era magra como café light e descafeínado.
A visão daquela mulher foi o ápice. Terminou de esfriar o que estava morno em volta da menina que comparava as pessoas com seu café. Num impulso, a menina tomou o ultimo gole, não quis pensar em mais nada, se levantou e saiu morna, morninha.

sábado, 6 de outubro de 2007

Ironia de sorriso.




Caminhava com um sorriso no rosto. Sorriso quase imperceptível, quase irônico, mas um sorriso. Assim, baixinha e um pouco (só um pouco) acima do peso, caminhava com aquele sorriso. Incomodava o tal sorriso, para quem o notava, é claro. E ela tinha vontade de gritar ao mundo. Olha, sabe eu tenho um sorriso, eu sei o que é vida, eu me descobri, Os que não me notam, não notam nem a si, não caminham com um sorriso no rosto. Cara fechada e vida automática, é isso que essas pessoas tem. Eu não, tenho um sorriso. Com esses pensamentos, o sorriso se abria ainda mais. E ela olhava as pessoas, as desafiava com seu sorriso irônico de quem tem algum segredo. Ah, e ela bem tinha um, e dessa vez nem era do seu peso que estava falando. Aquele sorriso era do segredo, do segredo da vida. Ufa, não era mais uma alienada, tinha se libertado, libertado do mundo e de suas regras, se libertado da rotina e sua chatice. Não era mais um robô, não vivia mais no piloto automático, era a própria vida em seu sorriso. E incomodava, mas também libertava.
Vai menina, com seu sorriso irônico, vai e vive a vida, vai e sinta o vento, vai. Chega de se reprimir. Vai menina. E ela foi, foi. Para nunca mais voltar ao que era antes. Foi.
(com seu sorriso).

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Eu quero!


O que eu bem quero é me sentir! É sentir a vida em mim! Dançar descalça até ter calos nos pés, dançar pra mim. Quero fugir só para olhar a lua em um céu mais límpido. Quero ser a Lua. Quero ser a chuva e o vento. Quero colocar uma roupa e me sentir bem, quero ser elogiada e subir na balança sem medo. Quero não mentir meu peso, quero soltar meus cabelos ao vento.
Quero cantar em voz alta, quero gritar, gritar, gritar! Quero ser astronauta, quero ser advogada, quero ser detetive, quero ser mais Cristina do que tenho sido.
Quero andar pelo outro lado da rua, quero mudar meus caminhos, quero sair da rotina. Quero xingar bem alto, quero sonhar ainda mais alto. Quero bater na sua porta, te dar um beijo e sair correndo. Quero rir sem motivos, quero chorar até!
Quero sentir a vida, quero viver o sorriso, quero não ter medo do novo e lembrar do velho com carinho. Quero sentir saudades, reviver os momentos!
Eu quero, eu quero, eu quero!

quarta-feira, 26 de setembro de 2007


Oba! A linda Amanda Beatriz me presenteou com o certificado de que meu blog está entre seus melhores momentos virtuais. Fiquei muito feliz! Obrigada Bia!
Bom, vou escolher 5 blogs entre os muitos que estão entre os meus melhores momentos virtuais:
- A Ótica de Um Míope;
-Sim, Senhora!;
-Rainha de Copas
-Subindonotelhado;
-Vida Pública.

E mais uma vez, Obrigada!
beijos.

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Cor-de-cinza




Hoje a praia estava cinza. Mar cinza, areia cinza, céu cinza. Tudo cor-de-cinza. Vestida em cinza, estava só, em sua própria areia e água sem fim. Solitária, mas em paz, tranquila. Sozinha, em cinza, se descobria. Podia olhar para si, sem o colorido do Sol, sem a invasão daqueles que só a procuravam quando estava bela e sorridente, quando estava quente e bem nutrida de guarda-sóis. Assim, cinza, a praia podia ver quem realmente gostava dela, quem sentia necessidade dela, quem fazia parte dela, em todas as estações. Assim, cinza e fria, sentia o calor, o calor de si mesma. Se desvendava aos poucos, a praia. Em cada onda, uma agitação. Em cada rajada de vento, um arrepio, arrepio diferente. A praia já tinha ficado cinza antes, por muitas vezes até, mas dessa vez, se lhe perguntassem, não saberia explicar, era diferente. Dessa vez, prestou realmente atenção. Dessa vez, não deixaria se enganar pelo sol radiante, ah sol, vem me queimar, vem fingir que me traz alegria pra depois ir embora sem explicação? Me aquece, me colore, me habita e me deixa, Sol? Eu sou verdadeira sem você Sol, eu sou feliz sem você Sol, e eu nem preciso de você para que outras pessoas precisem de mim, Sol. Os que me amam, buscam minha essência e não minhas cores, Sol. A praia pensava enquanto olhava para si. Mais uma onda forte, mais uma pegada fiél na sua areia. Sim, Minha areia!
A praia, hoje descobriu seu eu. A praia hoje, estava bela, e sabia disso, mesmo que alguns só enxergassem solidão e melancolia em sua escala de cinza. Mas era beleza, e melhor, a sua beleza. E eu, cúmplice dessa descoberta, escondida ali, entre seus coqueiros, invejei a praia. Mas, de certo modo, sou a praia, sou cinza e bela. De certo modo.

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Vontade de escrever.




Algumas pessoas são ótimas em dar conselhos. Outras cozinham como ninguém. Tem aquelas que transformam linhas sem graça em desenhos magníficos. Cada pessoa tem um dom, mesmo que não saiba, mesmo que ainda não o tenha descoberto. Eu não sei ao certo qual é o meu, embora eu saiba fazer brigadeiro como ninguém. Mas uma coisa eu sei que gosto: Escrever. Escrever pra mim mesma, escrever pra aliviar minha alma, escrever pra expor meus sentimentos. Colocar um pouco de mim em páginas em branco. Dar um pouco da minha vida ao papel. É como se assim, pudesse ver meus problemas por outro ângulo, pudesse sentir minhas felicidades de outra maneira.
Várias vezes já me vi sentada em um quarto vazio, tendo apenas a companhia de um papel e de um lápis. Companheiros leais esses. Sabem me ouvir como ninguém. E mesmo quando estou ás lágrimas, sabem como me acalmar.
Também sabem compreender quando estou muito feliz, e sempre compartilham dessa mesma felicidade. E com o passar do tempo, me mostram onde errei e me ajudam a traçar objetivos futuros.
Creio que não escrevo tão bem como faço brigadeiros. Mas ambos me dão imenso prazer, e às vezes até confortam quem está em minha volta.

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Ocupar a cabeça para esquecer o coração.




Acho que começar a trabalhar fez com que eu recobrasse a minha sanidade. Sim, cheguei a achar que estava louca, de tanto que você não saia da minha cabeça. Cheguei até a chorar quando vi a sua indiferença. Eu devia estar assim porque estava com a cabeça desocupada demais, dei muito espaço ao meu coração, que foi rápido e se encheu de você, chegando a te transbordar para a parte lógica da minha cabeça. Mas agora, passou. Não, não tudo eu sei, mas pelo menos voltei ao ponto em que estava antes de quase perder a razão. Sabe, ver você todo o dia é a parte mais difícil, mas já estava me acostumado, já estava aprendendo a manter uma distancia entre eu e você. Mas aí você vem com esse seu jeito e estraga tudo. E eu, com essa cabeça oca, me deixei levar. E eu te acho uma pessoa tão vazia! Acho que essa é a minha necessidade de você, ser teu complemento, ser tua essência, preencher esse espaço que até então eu pensava que fora feito exatamente com as minhas medidas. Mas tu com essa apatia em relação a mim me mata. Por isso, vou ser radical agora. Ou vai ser do meu jeito, ou não vai ser mais. Vou resistir de você, mesmo sendo difícil. Veremos se isso será o fim de tudo, ou apenas o começo de muito ainda.
Por enquanto, ocupar muito a minha cabeça pra nem olhar para o meu coração.

sábado, 15 de setembro de 2007

Ainda to viva!





Desculpem minha ausencia...
Estou um tanto quanto sem tempo. Comecei a trabalhar, e em seguida tenho treino, então quando chego em casa não me demoro a cair na cama, e durmo feito uma pedra para no outro dia começar tudo de novo..
Tenho tantas coisas pra falar, tantos pensamentos! Quero retomar minhas visitas quase que diárias aos meus blogs prediletos... Logo logo me acostumo com esse novo ritmo.
Beijos, e até mais!

terça-feira, 4 de setembro de 2007

Fantasmas do passado


É sempre assim. Quando passava algum tempo, quando ela fingia que não se lembrava dele, ele cismava em aparecer.
Ela já estava quase acustumada a viver sem ele nos seus pensamentos, já não era nele que pensava enquanto rolava de um lado para o outro sem conseguir dormir. Já não era ele a primeira imagem que vinha a sua cabeça quando acordava. Estava se curando, sim ela sabia. Não que ela tivesse deixado de pensar nele, mas isso acontecia com bem menos frequência. A imagem dele já não estava tão nítida como antes. Pensar nele dóia um pouco ainda, mas não fazia surgir lágrimas nos seus olhos. Apenas um aperto leve no coração, que ela já nem ligava.
Sim, estava passando. Se sentia feliz por estar conseguindo!
Como a pobre menina odeia esses fantasmas do passado. Fantasmas sim, pois ela já o considerava morto dentro de si, mas ele tinha que vir assombrá-la! Justo agora!
Coitada dela, quase se rendeu. Mas lembrou, que todo amor que tinha depositado nesse fantasma, virou amor próprio. Demorou um pouco sim, mas ela não prentendia jogar tudo que aprendera no lixo.
Mesmo um pouco insegura, mesmo com vontades chatas que a importunavam, resolveu que não iria dar bola para fantasmas. A menina ia procurar gente viva, gente de verdade, que lhe mostrara grandes perpectivas de futuro, e não grandes lamúrias de um passado. Mas sempre cautelosa, pois aprendeu bem. Dessa vez, iria deixa-lo bem enterrado em seu passado!

sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Surreal



O mundo tem tanta gente real! Mas não, ela insistia em enxergar o que não existia. O que não existia na matéria, pois na sua realidade estava mais vivo que nunca. Em sua mente era real. Em seus sonhos podia senti-lo, podia toca-lo. Olhava ao seu redor e via um emaranhado de gente, cada um com seus problemas, sua vida. Ninguém se notava, ninguém se sentia. Por isso preferia viver sonhando. Pobre menina sonhadora.
A verdade é que ela sabia que ninguém vive de sonhos. E sabia também que precisava de um amor real ao seu lado. Mas não conseguia. Não conseguia enxergar além do que seus olhos permitiam. Não conseguia ver a alma de mais ninguém! Tinha medo, pois pessoas reais deixam feridas verdadeiras, e seu frágil coração demorava a cicatrizar. Preferia sofrer amando alguém que criara para si. E, bem lá no fundo, tinha esperanças que esse seu personagem surreal estivesse em algum lugar, em algum lugar real, esperando apenas ser descoberto.

quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Parabéns pra mim!




E pro Richar Gere ;)
18 anos hj! (Eu eu quero dizer, o Richard Gere, faz 58) :}
Bom, parece pouco, mas olha, as vezes penso que já vivi 81!
Só quero agradecer a todos que me ajudaram e que fazem parte desses meus 18 anos de vida. Amo muito!
Beijos!


na foto, eu e a minha mãe, há quase 18 anos atrás. Mãe, te amo!

segunda-feira, 27 de agosto de 2007

Homem Vs Brigadeiro





Porque brigadeiro é melhor que homem:


  • O brigadeiro não mente pra você
  • O brigadeiro nunca te troca por uma mais magr
  • Você pode ter o brigadeiro quando quizer
  • O brigadeiro não te deixa em casa pra jogar bola
  • O brigadeiro se da bem com sua amigas sem segundas intenções
  • Você pode desabafar com o brigadeiro que ele não reclama
  • O brigadeiro não prefere o controle remoto a você
  • O brigadeiro não liga se você tem celulite

Porque brigadeiro é igual ao homem:

  • Ambos podem dar errado
  • Ambos podem viciar
  • Ambos engordam
  • Os dois não deviam, mas ás vezes são compartilhados
  • Nenhum dos dois é unanimidade na preferência de sua família.

Porque homem é melhor que brigadeiro:

  • O homem te faz sentir-se segura ao lado dele
  • O homem diz que te ama
  • O homem tem aquele jeito que te completa
  • O homem tem aquele olhar que te arrepia!
  • O homem pode não durar só 10 min

Olha, no momento estou revoltada e prefiro brigadeiro!

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Ventania


Um vento frio. E a menina não sabia.
Fechou os olhos para sentir o vento. Quem sabe o vento não lhe mostrava o caminho?
Que ironia, pensou enquanto sentia seus cabelos ao vento.
Que ironia!
O mesmo vento que destrói, que devasta, que arrasa,
pode guiar, conduzir, trazer lembranças, lembrar o amor.
Ventava dentro dela, isso ela sabia. O que por fora parecia acariciá-la, por dentro a devastava.
Tão intenso, que provocava sua tempestade particular.
Mas ela não conseguia saber!
Coitada da menina. Em silêncio, suplicava ao vento para levá-la ao que ela ainda não sabia.
Pedia a calmaria de sua própria tempestade, para poder seguir em paz na sua dúvida,
e escolher seu melhor caminho.

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Eu não sei criar títulos.


Também não sei patinar. Não sei dançar tango, nem me organizar.
Não sei desenhar, muito menos cantar! Mas eu canto, canto bem alto!
Finjo que me organizo, arrisco alguns rabiscos e se precisar eu até patino!
Até no tango eu posso me aventurar. Fechando os olhos e sentindo a vida, sentindo o passado, pensando no que foi feito, lembrando do que não fiz, fazendo o que não sei.
Dentre tantas coisas que não sei, chego a pensar que viver está entre elas. Chego a imaginar que só existo, e ás vezes que sou invisível!
Mas no primeiro vento, na primeira tempestade, esqueço esse devaneio.
E corro pra vida, me jogo no que não sei, me concentro não em apenas aprender, mas sim em viver, viver e VIVER!

domingo, 5 de agosto de 2007

O diário da Princesa



Cara, bati meu recorde. 284 páginas em menos de um dia e meio. Também pudera! Quando a leitura é boa, a gente nem vê o tempo passar, nem as páginas. E que livro delicíoso de ler!
Quero muito ler os outros. Ainda bem que meu aniversário é esse mês, aliás, já tenho uam lista de livros e filmes pra pedir.. (sim Bridget Jones, você está na minha lista).
Adoro livros, leio de tudo mesmo. Gosto muito de Clarice Lispector, gosto de algumas comédias de Shakespeare, livros espíritas, romances. Gosto mesmo é daqueles livros que fazem você ler até seus olhos ficarem cansados, que te fazem suspirar depois da última página. Que te deixam com vontade de ler tudo novamente, no momento em que terminoua última frase.
Infelizes aqueles que não descobriram o prazer da leitura. O prazer de viajar, de se envolver na história, de imaginar os personagens com o seu jeitinho. De poder enxergar cada detalhe, viver cada cena, sentir até mesmo os aromas descritos!
Mas o mais legal é ir se descobrindo através do livro, se identificando com a história. Achar que cada livro foi feito especialmente para você, para aquele momento
Obrigado, Domingo, por ter sido chuvoso. Assim, a minha leitura foi ainda mais gostosa!


ps. Quero ter um diário. ;)

domingo, 29 de julho de 2007

Pegue e senha e vá até o final da fila para comentar aqui.

foto: http://creative.gettyimages.com




Sabe, eu adoro quando sou obrigada a ir em bancos. Eles são tão organizados, fazem seus clientes se sentirem mais felizes, pois o atendimento é assim, exemplar. Tão eficaz!
Essa semana mesmo, tive que ir ao banco. Já estava muito contente em ter que me dirigir ao mesmo, imagina quando eu entrei lá e vi como estava, assim... CHEIO! Tudo bem, vamos testar a minha paciência né, porque afinal de contas é para isso que servem os bancos. Eles são uma espécie de organização secreta para recrutar pessoas pacientes, inteligentes, para trabalhar no FBI. Só pode!
Então vamos lá, tinha esperanças de ser recrutada né! Subi as escadas, muito pacientemente, guardei a bolsa, e fui procurar um funcionário (conselho: seguranças são contaminosos. Eles ficam em uma guarita com uma placa assim: SEGURANÇA, NÃO SE APROXIME! ui que meda!). Achando um funcionário com máscara de simpático, fui pegar a senha lá em baixo. Desce escada de novo. Teste de paciencia nível dois: Uma fila enorme para pegar a senha! Senhas não seriam para evitar a fila? Onde estava aquelas máquinas tipo "aperta aqui sai a senha ali"?. Okay, esperar né, afinal FBI é meu sonho. A fila é um tanto quanto demorada. Eis que surge o ápice do teste: O querido funcionário resolve ir "até ali rapidinho" enquanto deixa uma fila enorme com cara de taxo. Muitos minutos se passaram (agora é que eles mais observam) até que um revoltado senhor resolve chamar o (nada simpático) segurança, que foi buscar o senhor-das-senhas do ali-rapidinho. E eu permaneci com cara de nada né, dando uns suspiros de indgnação quase imperceptíveis (muito treinamento meu caro!).
Mais uma leva de minutos, e eu cosegui a bentida senha. 414, número lindo! Estava na 396. OK, devo estar passando o teste. Fui no banheiro, fui beber água, esperei minha mãe ir até o banheiro, e arrisquei uma olhadela para o numero das senhas. 396! Ai meu santo, só podia estar quebrada! Mas não estava. Quem estava quebrada era eu, e quase perdi a compostura.
Mais muitos minutos, e chegou a minha vez. E esse funcionário não fazia nem esforço pra ser simpático. Nessa altura, nem eu fazia.
Consegui sair do banco, e sem o problema resolvido. Volto lá na segunda. Acho que passei pra segunda fase do FBI. Não estranhe caso eu resolva fugir do mapa, ou caso eu resolva explodir um banco ;)

quinta-feira, 12 de julho de 2007

Paixões...




Já me apaixonei inúmeras vezes. Já me apaixonei por um olhar, já me apaixonei por palavras, por atitudes e até mesmo pela ausência delas. Tive paixões calmas, serenas, e também avassaladoras. Paixões que duraram alguns minutos, alguns segundos até! Outras, que duraram dias, meses, e uma ou outra que durou alguns anos. Algumas já até cheguei a pensar que era amor. Como confunde essa tal de paixão! Mas não, amor é coisa rara. é coisa que acontece uma só vez, e dura pra sempre. Sim, pra sempre, mesmo que esfrie, mesmo que coisas ruins aconteçam... o amor vai ser sempre amor. Vai estar sempre lá, adormecido talvez, mais nunca apagado. Ele volta, quando menos se espera. Se acabou de vez, foi só paixão. Essa enganadora e terrivel paixão. Mas acaba!Por isso que digo, me apaixono a todo momento, e como é boa a sensação! Já amor... ah esse eu não sei. Mas ele apareçe sim. Mas, enquanto ele não vem, vou vivendo de paixões, qualquer tipo delas. Elas aquecem o coração e preparam a alma, se falar no sabor que emprestam a vida!

domingo, 1 de julho de 2007

Amigas salvam baladas!


O melhor remédio pra uma balada chata são amigas legais. Comprovei isso ontem. Melhor dizendo, só confirmei né! Afinal não é a primeira vez que isso acontece. Ainda bem que o que vale é a companhia! Me divirto em qualquer lugar estando com elas. Mesmo em uma balada que só toca a mesma coisa, que você não consegue andar de tão cheio, que as horas demoooooram pra passar, que só gente sem noção vem falar contigo, (quando eu digo sem noção, é sem noção MESMO), entre outros motivos bem legais. Mais ma coisa posso dizer, apesar de tudo me diverti, e ri muito! Acho que é isso que vale. Colocar as coisas negativas de lado e cair na risada. Ah, e comer pizza quando chegar em casa, relembrando as piadas, as figuras e principalmente as burradas cometidas, essas inclusive, valem risadas pra semana inteira.Meninas, Obrigada! Foi divertido e engordativo passar o fim de semana com vocês. Já falei, nossa vida daria um seriado, e essa já seria a 4ª temporada ;)

terça-feira, 26 de junho de 2007

Doce Lar


Sumida, sim eu sei. Essa semana mesmo não tive tempo pra internet, estou matando as saudades! E são tantas!

Estou em Joinville, visitando minha família. Desde fevereiro que eu não os via, mais parecia uma eternidade. Sim, é aquela velha história, é preciso estar longe pra perceber o quanto se ama...

Devo ficar aqui até o dia dois, mais ou menos. Depende de quando eu volto a trabalhar. Não quero pensar em voltar, isso dói já.

Agora, vou mais é curtir as pessoas que eu amo e que me fazem tanta falta no meu dia-a-dia. é felicidade que não acaba mais!

quarta-feira, 13 de junho de 2007


Tenho tantas coisas a falar! Mas tenho apenas 15 minutos, não consigo escrever nada de útil assim, sobre pressão.
Tantas coisas borbulhando em minha mente, tantas sensações que mal consigo definir, quanto mais descreve-las.
Logo devo voltar ao normal. Logo devo voltar a ter tempo. Assim vou escrever sobre tudo isso que tem borbulhado em minha mente.
Logo poderei voltara ler com calma os blogs que mais gosto! Desculpe-me o sumisso ;/

Por enquanto,fico assim, as pressas, com palavras soltas e idéias formadas. Beijos, infelizmente, tenho que ir!

Ah, rapidinho. Hoje terminei de ler um livro maravilhoso! "The Collector (O Colecionador)" - John Fowles. Realmente muito bom! Ando assim, devoradora de livros.

segunda-feira, 11 de junho de 2007

Rapidinho...

... Só pra avisar que to viva ainda! Só um pouco sem tempo por esses dias, mais logo eu volto!
Beijos!

terça-feira, 5 de junho de 2007

Segunda-dieta, Terça-dieta ...




Segunda-feira é dia de... dieta. Ai como eu odeio essa palavrinha amaldiçoada! Porque é assim, você pensa em dieta, te da fome. Você começa uma dieta e as pessoas resolvem comer as coisas mais gostosas na sua frente, seu chocolate preferido resolve entrar em liquidação, sua mãe decide comprar aquele pão doce que ela nunca compra, seu amigo te convida pra ir na pizzaria na próxima sexta. Mais tudo isso só porque você pensou: Hoje é segunda, estou gorda, vou fazer dieta. Puft, essas coisas acontecem.

É, deve ter dado pra perceber que eu comecei uma dieta ontem. E isso realmente me deixa de mau-humor. Também né, quem manda parar na farmácia e se pesar? Enquanto tu não se pesa, nem vai percebendo muito como engordou, sempre da aquelas desculpas básicas, "que ta apertado pq acabei de tirar do varal", "ah minha calça encolheu", "nossa como esse espelho engorda né?" . Mas daí quando você se pesa, essa mentirinha toda acaba. É hora de mecher os pneuzinhos e fechar a boquinha! Mais daí as coisas mais gostosas começam a aparecer pra te testar. Olha, quando aquele tio-mala vier com aquele tablete de chocolate pra te dar, feche os olhinhos e pense ''quero ter a barriga da Gisele bundchen", ''quero ter a barriga da Gisele bundchen", e só abra a boquinha se for pra dizer um NÃO bem grande. É difícil né, principalmente pra quem, como eu, tem o espírito de gordice. Mais depois que você vai lá na maldita balança, e ve alguns kilos indo embora, vale a pena ;)


Ps. Se mais alguém me oferecer doce hoje, eu juro que esgano!

ps.2 Mal acabei de postar, veio uma mulher aqui na loja vender sonho de valsa. Me imaginei no pescoço dela, mais só falei um : Não, obrigada. Grrr

terça-feira, 29 de maio de 2007

Oh, chuva

Chegou a chuva. Junto com ela, aquela vontade de pensar, de dizer, de gritar, de amar. A chuva desperta uma tempestade dentro de mim. Odeio a Chuva. Talvez (mais só talvez) eu a inveje, porque ela cai livremente, na sua melhor forma, a chuva não tem medo de ser livre, de cair, de te molhar, de te deixar com frio ou de te refrescar. A mesma chuva tem o poder de te deixar preso na sua sala, ou de te fazer livre, enquanto ela toca a sua face da forma mais sutil. Essa mesma chuva, pode fazer você odiá-la por cair assim tão de repente, sem avisar, molhando seu melhor sapato, mais também pode fazer você amá-la por ser assim, tão imprevísivel, por fazer suas tardes mais românticas, por servir de telespctadora para aquele beijo mais apaixonado.
Talvez (mais só talvez) eu queira ser como a chuva. Desempenhar o meu papel, sem me preocupar se estou sendo odiada ou muito amada. Se estou sendo vista ou ignorada. Se estou sendo aplaudida ou vaiada. Não importa. Estaria ali, amando o que faço, agradecendo simplesmente por ser... Chuva. Saberia que por mais que houvesse críticas, por mais que houvesse rancor, não viveriam sem mim, ninguém. Nem nada.

É, chegou a chuva, e a tempestade que ela desperta é grande. Dentro e fora de mim.

sábado, 26 de maio de 2007

Piratas do caribe, quero mais!

Geeente, ontém eu fui assisitir a estréia do Piratas do Caribe, que aliás, eu estava esperando muito pra ver. E toda a espera valeu a pena! Esse foi o melhor filme dos 3, já saí com vontade de voltar na próxima sessão.
Tudo muito bom, a produção ótima, efeitos especiais impecáveis... Mais nada que supere a atuação do Johnny Depp. Nossa eu me surpreendi mesmo! Como é que ele ainda não ganhou um Oscar? Injustiça!
Tem que ser muito bom pra fazer aquele papel, ter aquelas expressões faciais. E esse cara faz qualquer papel. Realmente, muito bom! Ele faz com que a gente tenha vontade de ter um Jack Sparrow nos esperando em casa.
Mais olha, o Orlando Bloom, mais lindo que nunca nesse filme! No final mesmo, quase tive um treco quando vi ele. Que raiva que eu tenho daquela tal de Keira Knightley, pqp ela beija os dois! Aquela magricela... (sim pq viu o tamanho da cintura dela? ai que inveja ;x).
Com certeza recomendo o filme, mais pra quem já assistiu aos outros 2 né, se não fica totalmente por fora. Vale a pena!

ps. Depois de ontem eu aprendi que se deve chegar cedo em estréias :P
ps.2 O cinema tá muito caro! Creeedo...
ps.3 A pipoca e o refri tb.. eia mundo capitalista..

quarta-feira, 23 de maio de 2007

Papos sem nexo.

Sabe quando você está naquelas tardes chuvosas, debaixo do seu cobertor, sem nada pra fazer (é não fui trabalhar hoje!), e começa a conversar sobre coisas, assim digamos... viajantes? Pois é, hoje foi assim...
Estava eu, a Gui e o Djou viajando na salam quando começamos a conversar sobre geografia. Começamos a perguntar as capitais dos estados brasileiros, totalmente viajando, quando surge a nossa maior discussão: Brasília. O que seria Brasília? Onde fica Brasília? (Distrito federal gritei eu. ) Mais o que é Distrito Federal ?(um distrito dãã)! Tá eu sei!! Mais Distrito Federal seria o estado de Brasília? ó Céus, eu que sempre gostei de Geografia, esqueci tudo num passe de mágicas. Esqueci até que alguns estados como por exemplo Sergipe existem (mais não esqueci do Acre, que de uns tempos pra cá tá muito na moda né? mais eu ainda acho que ele não existe ;P). E ficamos por mais de uma hora a discutir sobre Brasília, sobre sua localização, sem chegar a conclusão nenhuma. Olha que bonito! 3 pessoas e nenhuma conclusão. E pior, nem um Atlas em mãos, pra ajudar esses pobres seres ignorantes... Mais eis que surge minha tia, salvadora da tarde e diz que o Distrito federal fica dentro de Brasília, e que Brasília fica em Goias. Ah eu pensava que Brasília e seu Distrito tivesse um espaço só deles, mais tudo bem, me contento com isso. (Tá eu confesso que fui correndo olhar no gooogle Brasília e sua localidade assim que entrei na net, mais shiu!).
Conclusão desse texto geográfico-sem-nexo: Tardes chuvosas em casa inspiram conversas altamente viajantes... Mais quem não gosta de jogar papo fora as vezes? é divertido ;)

sábado, 19 de maio de 2007

Viajo mesmo!

Se tem uma coisa que eu adoro, é observar as pessoas na rua. Adoro andar de ônibus e olhar cada rosto cansado, olhar triste, expressão alegre de cada um, e fico imaginando a história, os segredos que cada um guarda. É como se eu criasse personagens pra cada pessoa, tentando adivinhar se elas correspondem a minha expectativa. Sempre imagino a que horas aquela pessoa acordou pra estar ali, por que ela está indo para o mesmo lugar que eu. Mais o que mais me deixa curiosa, é saber os outros estão ouvindo nos seus MP3/MP4 e cia. Nossa, eu tenho muita vontade de puxar o fone e descobrir. Qualquer hora eu vou fazer isso sim, ah vou ;)

Cada um com seu estilo, com sua personalidade (alguns até mesmo sem personalidade né...), isso me encanta. Alguém me falou um dia para ser psicóloga, estudar o comportamento das pessoas, mais não sei se isso seria uma boa. Porque o que eu gosto mesmo é de imaginar, talvez se eu soubesse mesmo que aquele indíviduo que eu pensava estar indo ao compartimento secreto do FBI estivesse indo na verdade declarar seu imposto de renda, e aquela moça de vestido estranho e cara de cantora de ópera gostasse mesmo é de um bom pagode eu ficaria muito decepcionada e perderia a vontade de viajar nos meus pensamentos. (é eu viajo bastante). Por isso, deixa eu dar asas a minha imaginação e imaginar emoção na vida de todos, e espero que quem me observa imagine um pouco de emoção na minha vida ;)




quinta-feira, 17 de maio de 2007

Outono?

Frio me lembra romance. É impossível não pensar no frio sem imaginar aquele casalzinho juntos entre as cobertas, com seu chocolate quente, assistindo a um filme qualquer, não importa qual, afinal ela sempre adormece no colo dele... Ou então aquela praça com um ar melancólico de outono, com suas folhas caídas pelo chão, parecendo uma fotografia, e lá, o casal sentado no banco, pra completar a cena...
Por isso que eu amo o frio, ele faz com que eu me sinta apaixonada, me sinta nas nuvens... faz com que eu sinta vontade de caminhar na praia vazia e fria, sentir o vento, mantendo essa impressão de que amo alguém. Não que eu não ame é claro, mais não esse tipo de amor. Esse amor de inverno, que esquenta a alma, que aquece o coração.
Só estamos tendo um problema. O cenário lindo, de outono, folhas caídas... Mais o clima é de VERÃO! Ai como eu fico indgnada com isso. Quero frio! Brrrr



(...)
Minha vida não foi um romance...
Nunca tive até hoje um segredo.
Se me amas, não digas, que morro
De surpresa... de encanto... de medo...
-M. Quintana.








quarta-feira, 16 de maio de 2007

Começando ;D

É... vamos tentar ter um blog de novo né? Sei lá, é bom escrever, desabafar, mesmo sabendo que só voce, sua mãe e seu cachorro lê. Mais mesmo assim é bom ;)

Vamos personalizar e cuidar direitinho disso dessa vez, all right? :*