domingo, 29 de julho de 2007

Pegue e senha e vá até o final da fila para comentar aqui.

foto: http://creative.gettyimages.com




Sabe, eu adoro quando sou obrigada a ir em bancos. Eles são tão organizados, fazem seus clientes se sentirem mais felizes, pois o atendimento é assim, exemplar. Tão eficaz!
Essa semana mesmo, tive que ir ao banco. Já estava muito contente em ter que me dirigir ao mesmo, imagina quando eu entrei lá e vi como estava, assim... CHEIO! Tudo bem, vamos testar a minha paciência né, porque afinal de contas é para isso que servem os bancos. Eles são uma espécie de organização secreta para recrutar pessoas pacientes, inteligentes, para trabalhar no FBI. Só pode!
Então vamos lá, tinha esperanças de ser recrutada né! Subi as escadas, muito pacientemente, guardei a bolsa, e fui procurar um funcionário (conselho: seguranças são contaminosos. Eles ficam em uma guarita com uma placa assim: SEGURANÇA, NÃO SE APROXIME! ui que meda!). Achando um funcionário com máscara de simpático, fui pegar a senha lá em baixo. Desce escada de novo. Teste de paciencia nível dois: Uma fila enorme para pegar a senha! Senhas não seriam para evitar a fila? Onde estava aquelas máquinas tipo "aperta aqui sai a senha ali"?. Okay, esperar né, afinal FBI é meu sonho. A fila é um tanto quanto demorada. Eis que surge o ápice do teste: O querido funcionário resolve ir "até ali rapidinho" enquanto deixa uma fila enorme com cara de taxo. Muitos minutos se passaram (agora é que eles mais observam) até que um revoltado senhor resolve chamar o (nada simpático) segurança, que foi buscar o senhor-das-senhas do ali-rapidinho. E eu permaneci com cara de nada né, dando uns suspiros de indgnação quase imperceptíveis (muito treinamento meu caro!).
Mais uma leva de minutos, e eu cosegui a bentida senha. 414, número lindo! Estava na 396. OK, devo estar passando o teste. Fui no banheiro, fui beber água, esperei minha mãe ir até o banheiro, e arrisquei uma olhadela para o numero das senhas. 396! Ai meu santo, só podia estar quebrada! Mas não estava. Quem estava quebrada era eu, e quase perdi a compostura.
Mais muitos minutos, e chegou a minha vez. E esse funcionário não fazia nem esforço pra ser simpático. Nessa altura, nem eu fazia.
Consegui sair do banco, e sem o problema resolvido. Volto lá na segunda. Acho que passei pra segunda fase do FBI. Não estranhe caso eu resolva fugir do mapa, ou caso eu resolva explodir um banco ;)

2 comentários:

Thor Croix disse...

é raro ver alguém que goste de banco sem ser banqueiro...

lu disse...

odeio bancos com todas as minhas forças!
os funcionários então... nem comento.