terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Vou.




Não sei. Apenas isso. Não sei.
Não sei por que sinto minha alma na tua, mas sinto você tão longe de mim. Não sei por que às vezes sinto tanto a tua indiferença. Não sei por que me sinto culpada, de te ver e não sentir sua aproximação! Repasso as coisas que talvez tenha feito pra ti, para mudar assim, do nada. Passo e repasso, mas não vejo nada, nenhum motivo! Então, por que fazes isso comigo? Talvez por que arranjaste alguém para colocar no meu lugar. Pronto, já não sirvo mais pra ti. Não como antes. Sou agora, apenas eu, e não mais eu e você, como fomos por tanto e tanto tempo. Já tenho vergonha de dizer as coisas pra ti, a comunicação já nos tem fugido. Mas um dia quem irá fugir vai ser eu. Melhor dizendo, irei voar, voar para longe, como fiz tantas vezes, mas dessa vez a distancia não vai ser física.
Apenas vou. Já estou indo né? Vou de vez.


7 comentários:

Esyath disse...

Criiis


um dia acontece o inverso... um dia alguém deixa de ser para você o queria continuar a ser... um dia a pessoa vai se ressentir por sua distância... é como se fosse um elástico de estilingue... você solta, ele vai, mas acaba voltando... e dizem que apenas o tempo resolve... e ainda assim... acaba doendo do mesmo modo...

Beijos (Des)conexos!

Ana Cláudia Zumpano disse...

gostei muito do teu blog garota!
forte e sonhadora... adorei passar por aqui, e passarei sempre!
bjo ;*

O Inexorável disse...

Nesse caso é melhor ir mesmo
;)
=*

Ana Cláudia Zumpano disse...

que bom! visita retribuida! e que ótimo que vc gostou de lá tbm... sinta-se em casa!!! e escreva, escreva, escreva sempre mais!
bjo ;)

Juliana Caribé disse...

Se for para contemplar outros céus, mais azuis, então voa sem dor no coração. Com leveza. Que ela te levará aonde ninguém jamais pôde ir.

Rainha de Copas disse...

tava com saudade daqui... ;D

Perdição disse...

Bom post....me lembrou uma música do grande mestre cartola que diz assim: "deixe me ir, preciso andar, vou por ai a procurar, rir pra nao chorar...."