domingo, 4 de dezembro de 2011

Crying.


Weheartit.com

Não vou dizer que não chorei. Você sabe, eu sempre choro. Mas tenho certeza que tu chorou também. Alguma lágrima escorreu nesse rosto impassível. Dói não dói? Quando estamos de bobeira nesse dia frio e de repente elas vem, as lembranças. Então a lágrima escorre quieta, teimosa. Somos teimosos, teimamos até chegar a esse ponto. Como chegamos até aqui? Você me disse que nunca iria doer, eu te disse que nunca iria embora. Você pegava na minha mão, eu te abraçava e em silêncio diziamos tudo. Agora em silêncio, calamos tudo, tudo o que fomos.
Por isso, sim eu chorei. Pelo Adeus. Minha despedida secreta. Mas agora coloco tudo numa caixa – as lágrimas, sorrisos, lembranças, dores, frustrações junto com aquelas fotos, bilhetes, papéis e tudo mais – coloco tudo numa caixa. Jogo a chave em algum lugar, em um lugar qualquer, em lugar nenhum – não quero mais saber.
Eu chorei, mas não vou mais chorar. Seco as lágrimas, dou um suspiro longo: um ciclo que se fecha, uma cicatriz ainda recente, ainda queimando, porém, uma cricatriz.

As nuvens tinham escurecido completamente. Agora, pensou apertando a mão, agora vem uma ventania, um trovão, um raio,depois começa a chover.
(Caio F. Abreu)

ps. Curte a página do blog?

6 comentários:

mfc disse...

Essa sepração e mesmo as recordações dela sempre doem!
Foi um pedaço de nós que desapareceu... que não volta mais.

Miily ;* disse...

Eu amo quando o silêncio fala, quando ele diz tudo dispensando as palavras, que o coração só sente, nem faz questão de ouvir dos lábios, só do silêncio. Mas quando o silêncio simplesmente cala e deixa tudo passar, dói. Mas sempre vai chegar o momento que abriremos nossas caixas e colocaremos tudo lá, coisas boas, ou ruins, as palavras, os sorrisos e principalmente o silêncio todo carregado com seus sentimentos e lembranças, aí agente simplesmente põe em um quanto qualquer, um dia agente vai abrir por querer, e o tempo vai passar, até chegar o momento que a encontraremos entocada em um canto esquecido e coberta por poeira, nesse dia tudo que houver lá dentro serão apenas pedaços que fizeram parte de nós um dia...

Ameeei, amei muito, amei mesmo. Todo mundo passa por isso um dia né? Boa semana flor, e que suas cicatrizes logo logo não passem de marcas que já não te machucam mais ;*

Miily ;* disse...

Eu amo quando o silêncio fala, quando ele diz tudo dispensando as palavras, que o coração só sente, nem faz questão de ouvir dos lábios, só do silêncio. Mas quando o silêncio simplesmente cala e deixa tudo passar, dói. Mas sempre vai chegar o momento que abriremos nossas caixas e colocaremos tudo lá, coisas boas, ou ruins, as palavras, os sorrisos e principalmente o silêncio todo carregado com seus sentimentos e lembranças, aí agente simplesmente põe em um quanto qualquer, um dia agente vai abrir por querer, e o tempo vai passar, até chegar o momento que a encontraremos entocada em um canto esquecido e coberta por poeira, nesse dia tudo que houver lá dentro serão apenas pedaços que fizeram parte de nós um dia...

Ameeei, amei muito, amei mesmo. Todo mundo passa por isso um dia né? Boa semana flor, e que suas cicatrizes logo logo não passem de marcas que já não te machucam mais ;*

Luna Sanchez disse...

O problema das par-ti-das é que as pessoas não vão inteiras, deixam pedaços nelas espalhados por nós.

=\

Beijos.

Luna Sanchez disse...

Delas*

Pérola Irregular disse...

Eu acho incrível como me identifico com o que você escreve. E mesmo com o passar do tempo, o sentimento de vazio, de quem perdeu alguém que ama, permanece. Ainda sinto tão presente quanto a caixinha de recordações que guardei para nunca mais olhá-la.

Entretanto, a nostalgia sempre vence, me deixando aprisionada ao passado e as cartas que não mandei.

Beijos.