domingo, 5 de abril de 2009

Chão.



E então tudo que não fazia sentido, aos poucos vai tomando cor. Perguntaram se eu tava feliz, e eu numa mudez dolorida respondi que sim - pra depois descobrir que mentia.
Não ser eu me dava uma felicidade ilusória. Uma felicidade instantânea.
Mas eu, ah eu não quero quietos instantes de felicidade.
Foi então que desci do sonho, do pesadelo, do devaneio, ou do estado sem-nome que me encontrava. Desci ou me empurraram, não sei, mas o fato é que senti meus pés no chão.
O chão gelado, duro, que me encarava com tibieza, mas era o chão. Custei ficar em pé, trepidei alguns instantes, quis correr, voltar, fugir. Mas quando encontrei o equilíbrio e pude então ficar de pé sem ninguém pra me apoiar, comecei a ser.
Estou sendo, então.
E no começo, a solidão que parecia um vácuo sem fim, foi se tornando liberdade.
E eu, aos poucos, fui me libertando de mim. Ficando livre para ser
EU.

5 comentários:

Anônimo disse...

Eu tbm tô começando a me sentir livre pra ser eu mesma. A nossa sintonia se faz tão forte, que nossos momentos de tristezas estão se desfazendo ao mesmo tempo, permitindo que nós sejamos nós mesmas e felizes. Amei o post :*:

Matheus ;] disse...

equilíbrio, tá aí o desafio da vida.

ter os pés no chão é a maneira mais sensata de perceber o quão grande podemos ser.

Matheus ;] disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Míope disse...

Equilíbrio. Tá aí a solução mais problemática do mundo. Embora não seja impossível...

Muito bom, como sempre.
Tava com saudades daqui.

Beijo.
;]

Anaa Bia ;) disse...

Vocêê voltooooou !

Ai que lindo, eu sempre achei seu blog tão perfeito *-* E você tem que ser você mesmo, Crispi, nada de ser outra pessoa por causa dos outros u.u

Te amo, muito muito muito !